30/12/2013

Gelado Merengado com Framboesas

gelado merengado

gelado merangado com framboesas

receita gelado merengado nigella lawson

Um sobremesa festiva para todas as estações e a minha sobremesa para o jantar de final do ano.
Com poucos ingredientes, muito rápida de confeccionar e com garantias de deixar os convidados a salivar. É um pavlova que se transformou em gelado e, tal como a original, difícil de resistir. A receita original deste gelado merengado retirei-a do último programa de culinária da Nigella Lawson, que repetiu há uns meses no canal Sic Mulher, e que tem como substituto da bolacha maria que utilizei para criar textura ao gelado, deliciosas lascas de chocolate amargo. Como a minha cara metade não gosta de chocolate, decidi trocar as voltas ao chocolate e acrescentar bolacha bem triturada, que deu um toque crocante extra e delicioso ao gelado. Já o topping de chocolate amargo fiz questão de não o prescindir, deixando ao gosto de cada um a quantidade a servir.
Posso dizer que fiquei fã desta delicada sobremesa gelada, que não tem assim tanto de gelado, uma vez que os suspiros não deixam a mistura congelar demasiado, derretendo-se com facilidade na boca com pequenas explosões adocicadas, intercaladas pela acidez das framboesas numa sinfonia perfeita de sabores. Confesso que saboreio esta combinação em qualquer altura do ano, e já a considero uma sobremesa de eleição para os dias festivos que intercalam o nosso dia a dia. A verdade é que este gelado merengado é uma excelente tela em branco para os amantes da cozinha e das sobremesas, que cada um pode pintar a seu gosto com as mais variadas frutas e coberturas.

E por falar em tela em branco, 2013 está prestes a ficar para trás e um novo ano, fresco e esperançoso está ao nosso alcance já ao virar da esquina.
Em jeito de balanço, 2013 trouxe-me a alegria de partilhar e começar a compilar todas as receitas que herdei da minha avó, objetivo que me levou a criar o Fabrico Caseiro, e que se transformou em muito mais que meras receitas. Conheci pessoas apaixonadas pela cozinha e pela família como eu, renovei o gosto pela fotografia e dou por mim a querer fazer sempre mais e melhor, como um escape viciante que me aproxima de outras estórias e aventuras culinárias, repletas de sabores e ingredientes que tornam a nossa vida mais alegre e deliciosa.
Mas também houve espaço para dissabores e tristezas, que nos marcam e nos fazem ver que a vida é muito mais que os insignificantes problemas da nossa rotina, que muitas vezes nos faz perder o rumo para o que verdadeiramente importa.
2014 chega com novos projetos profissionais, iniciados mesmo no final deste ano, e com eles a esperança que tudo vai melhorar. As saudades na minha vida profissional eram muitas e sei que este recomeço faz de mim uma pessoas mais feliz e realizada. Mas o que peço sempre para mim e para todos os que amo e desejo bem é Saúde e Paz, que sem elas nada se consegue. Tudo o resto desenrola-se em torno de mais ou menos sorte, mais ou menos alegria, mais ou menos estabilidade. E para que tudo corra pelo melhor, temos sempre de estar bem de saúde e em paz, de consciência e com tudo à nossa volta.
Um 2014 cheio de coisas boas para todos, com a esperança sempre presente e as melhores receitas para partilhar com quem nos faz sorrir!
Até para o ano!

GELADO MERENGADO COM FRAMBOESAS

ingredientes

400ml (2 pacotes) de natas frescas para bater
4 c.sopa de açúcar
100g de bolacha maria triturada (pode ser substituída por raspas de chocolate amargo ou bolachas de chocolate)
200g de suspiros esmagados
125g de framboesas
açúcar em pó para polvilhar
100g de chocolate amargo de culinária para derreter

preparação

1. forrar uma forma de bolo inglês com película aderente, deixando alguns centímetros nas bordas para depois ajudar a desenformar o gelado
2. numa taça, bater as natas frescas com a batedeira até começarem a prender
3. acrescentar aos poucos o açúcar e bater até estarem bem firmes
4. envolver suavemente com uma espátula a bolacha triturada e, em seguida, os suspiros esmagados grosseiramente
5. deitar o preparado na forma e alisar a superfície, cobrindo com película aderente
6. levar ao congelador até solidificar (o ideal será de um dia para o outro)
7. 10 minutos antes de servir, retirar o gelado do congelador e desenformar para um prato de servir
8. decorar com framboesas polvilhadas com açúcar em pó e acompanhar com chocolate amargo derretido

16/12/2013

Estrelas de Gengibre

bolachas de natal

bolachinhas de natal

bolachinhas de natal

bolachinhas de natal

Venha a esperança até nós.
A alegria de outros natais, cheios de luz e sorrisos iluminados.
Porque os dias tristes não escolhem datas nem festas,
mas nem mesmo esses esmorecem a força
de quem a tem junto de si, como eu,
e que a desejo espalhar como o meu presente de Natal...

Embora a meio gás, a minha cozinha ainda preserva a tradição que todos os anos acompanha esta época da Família por excelência. Imaginei mil e um posts com ideias para vos deixar, mas a imprevisibilidade da vida nem sempre deixa os projetos tomarem o seu rumo e tornarem-se realidade. Fugiu alguma da alegria natalícia, mas fica sempre a perseverança, a vontade e um sorriso para quem está sempre por perto, mesmo quando a nossa estrela não brilha com a mesma intensidade. Por isso, não podia deixar de colocar aqui mais uma tradição, mais um miminho, mais um gesto. São umas singelas bolachinhas de gengibre para moldar em companhia e comer umas atrás das outras, que servem sempre para dar de presente e partilhar um pouco de nós.
Até ao próximo post!


BOLACHINHAS DE GENGIBRE PARA O NATAL
(uma receita Vaqueiro, retirada do blog Cinco Quartos de Laranja)

ingredientes 
(para cerca de 30 bolachinhas)

70g de Margarina amolecida (costumo usar Vaqueiro Líquida)
200g de açúcar amarelo
2 ovos pequenos
1 pitada de sal fino
2 c.sobremesa de gengibre em pó
raspa da casca de 1 limão
250g de farinha com fermento
leite para pincelar

preparação

1. numa taça, bater a margarina com uma colher de pau até ficar cremosa
2. acrescentar o açúcar e bater bem (nota: se usar Vaqueiro Líquida, bater a manteiga juntamente com o açúcar até ficar em creme)
3. acrescentar os ovos, um a um, e bater até estar tudo bem incorporado
4. adicionar o sal, o gengibre em pó e a raspa da casca de limão, envolvendo bem
5. por fim, adicionar a farinha, misturando muito bem
6. moldar uma bola e tapar a taça com película aderente, colocando no frigorífico a descansar durante 2 horas (quem quiser, pode fazer este passo na véspera)
7. retirar a massa do frio e coloca-la numa superfície limpa e enfarinhada
8. com um rolo enfarinhado, estender a massa até ficar com 05,cm de espessura
9. com cortadores de bolacha variados, cortar a massa em bolachinhas e dispô-las num tabuleiro forrado a papel vegetal, pincelando a sua superfície com um pouco de leite
(se na altura de estender a massa esta estiver muito mole, acrescentar um pouco de farinha e amassar até ficar na consistência desejada)
10. levar ao forno, pré-aquecido a 200ºC, durante 8 a 10 minutos, ou até as bolachinhas ganharem um tom dourado
11. repetir a operação, até se esgotar a massa
12. deixar as bolachas arrefecerem numa rede metálica e guardar num recipiente hermético até uma semana.

Para oferecer, comprar um frasquinho de vidro, fita colorida e etiquetas de papel.

02/12/2013

O Bolo Inglês da minha Avó

receita bolo inglês

receita bolo inglês

bolo inglês - receita

O Natal caminha a passos largos e cá em casa já estamos a postos para o receber.
As luzes da árvore decorada com as cores tradicionais brilham ao som dos clássicos de Natal, enquanto se escrevem as cartas e os postais com os desejos mais íntimos e os votos de saúde e felicidade para todos os que queremos bem, nesta que é a época mais familiar e solidária do ano.
Sonhar com o Natal é sonhar com a família reunida, com os sorrisos dos mais pequenos, na expectativa do desembrulhar dos presentes, e a sincera alegria estampada dos que há muito não estão por perto. É sonhar com as conversas em volta da mesa e a satisfação de voltar a saborear a tradição em cada garfada.
No meio de tantas tradições, grande parte delas comuns a todos nós, estão as exclusivas de cada lar, que tornam o nosso Natal sempre especial. Já um clássico nas semanas do Advento, está o Bolo Inglês da minha avó. Faz parte daquelas receitas que todas as cozinheiras da família têm no seu caderno, mil vezes rabiscado com os segredos de cada uma de nós, e ainda hoje é apreciado por todos os restantes membros da família, sobretudo nesta época. E é por este motivo que hoje está aqui no Fabrico Caseiro. Espero que gostem e, quem sabe, não criam uma nova tradição!


O BOLO INGLÊS DA MINHA AVÓ
 
ingredientes
 
3 ovos médios
75g de manteiga amolecida
225g de açúcar (podem usar amarelo)
225g de farinha de trigo
1 c.sopa rasa de fermento em pó
1 cálice de Vinho do Porto
150g de frutos secos picados grosseiramente à escolha (cá em casa fazemos com nozes, amêndoas, avelãs e pistáchios)
75g de sultanas/passas (deixá-las em repouso numa tacinha de um dia para o outro, ou algumas horas, mergulhadas em Vinho do Porto)
Mel para pincelar
 
preparação
 
1. ligar o forno à temperatura de 180ºC.
2. untar uma forma de bolo inglês e forrar com papel vegetal, também untado.
3. numa taça, bater a manteiga com o açúcar, até ficar um creme fofo.
4. acrescentar os ovos, um a um, batendo bem em cada adição.
5. deitar o Vinho do Porto e envolver bem
6. finalmente, peneirar a farinha com o fermento e envolver bem à massa, sem bater demasiado (o suficiente para ficar tudo bem incorporado).
7. escorrer e espremer bem as sultanas/passas e juntar aos restantes frutos secos, enfarinhando-os um pouco (vai evitar que se afundem quando o bolo estiver a cozer no forno).
8. envolver 2/3 dos frutos à massa.
9. deitar o preparado na forma e salpicar o topo com os restantes frutos.
10. levar ao forno durante 45 a 55 minutos ou até, espetando um palito no centro do bolo, este sair seco.
11. retirar do calor e deixar arrefecer um pouco antes de desenformar.
12. pincelar a superfície com um pouco de mel e servir ainda morno ou frio. É delicioso!
Outra receita infalível de bolinho para dias especiais da minha avó é a deste maravilhoso
 
 

25/11/2013

Compota de Maçã, Canela e Gengibre

doce de maçã e canela

compota de maçã

Para mim, o Natal tem cheiro de especiarias. De canela. Salpicada nos doces e impregnada nas geleias e compotas que se oferecem de presente. E a gengibre. Nos biscoitos com que decoramos os pinheiros e enchemos os potes de vidro e as latas velhas, para guardar o aroma de Natal por mais dias.
Não há presentes que mais goste de preparar ou receber do que aqueles que são feitos na cozinha. Com a antecedência que a amizade e o carinho pelos outros pedem e com o formigueiro ansioso que em mim despertam, fazendo-me viver esta época mágica muito antes dos derradeiros dias de festa. Encho a cozinha de panelas de doce caseiro, todos os anos diferentes, e fornadas de bolachas e biscoitos que adoro amassar ao fim-de-semana com o meu pequeno ajudante. Desfolho contente os cadernos antigos de receitas da minha avó e reinvento os clássicos que me deliciam deste miúda, dançando ao som dos tachos e das colheres de pau as melodias do Natal. Este ano, para não fugir à regra das estreias em doces, há uma compota nova de maçã, canela e gengibre nos cabazes, três sabores que combinam tão bem entre si e que me sabem sempre a Natal. Espero que gostem!
Até ao próximo post!


COMPOTA DE MAÇÃ, CANELA E GENGIBRE

ingredientes 
(para cerca de 6 a 8 frasquinhos com 250ml de capacidade ou menos)

2 kg de maçã reineta descascada e cortada em cubinhos de 1 cm
1,600 kg de açúcar
sumo de 1 limão
2 paus de canela
1 c.sopa de canela em pó
1 c.sopa de gengibre em pó

preparação

1. colocar numa taça os cubinhos de maçã e regar com o sumo de limão para não oxidarem
2. num tacho de fundo largo, deitar o açúcar e adicionar os cubos de maçã, juntamente com os paus de canela
3. levar ao lume e mexer até o açúcar se dissolver
4. acrescentar a canela e o gengibre em pó e, quando levantar fervura, deixar cozinhar até os cubinhos de maçã estarem moles e a compota engrossar, retirando do lume quando esta atingir o ponto de estrada (ao colocar uma colher de pau na compota e raspar no fundo do tacho, esta faz uma estrada), o que demora cerca de 45 minutos a 1 hora
5. dividir a compota em frasquinhos previamente esterilizados * e guardar em local fresco e seco durante cerca de 6 meses; para oferecer, decorar o frasquinho com uma fita bonita, um pau de canela e uma etiqueta


Nota: este doce de abóbora, laranja e canela também é delicioso para se oferecer no Natal!



 * esterilização de frascos de vidro:
a) colocar no fundo de uma panela grande um pano de cozinha lavado (para evitar que os frascos lasquem) e encher de água até 2/3 da capacidade
b) colocar os frascos e as tampas lavadas e deixar ferver durante 10 minutos
c) retirar da panela com uma tenaz bem lavada e colocar os frascos e as tampas virados para baixo numa toalha de banho ou rosto de turco lavada, cobrindo em seguida; desta forma, os frascos e as tampas secam com o calor por eles emanado e, ao estarem tapados com a toalha, não estão sujeitos à sujidade do ar (poeiras, etc.)
d) quando o doce estiver pronto, destapar os frascos e deitar o preparado até 1cm da borda do frasco, enroscando imediatamente a tampa e virando o frasco ao contrário num tabuleiro coberto com um pano, até estar frio, para criar vácuo e o doce ficar bem vedado

18/11/2013

Bengalinhas de Canela

bengalinhas de canela

bolachas de canela

O Outono já vai a meio e o Verão de S. Martinho terminou em pleno. Agora, o frio tomou conta da cidade e, aos poucos, as luzes e os brilhos das lojas nas  ruas e avenidas relembram que o Natal está a chegar.

Em casa, é tempo de vestir a casa com os cobertores quentes e colocar nos armários os pijamas de xadrez e as camisolas e meias de lã. Usar a lareira pela primeira vez na estação e aquecer as mãos frias numa caneca de chá quente, enquanto preenchemos o silêncio com os sorrisos serenos que o conforto do nosso pequeno mundo nos pode proporcionar.
 E enquanto não pinto a casa com as cores de Natal, antecipo-o na cozinha, que este fim-de-semana ficou com cheiro a canela e sabor a festa, com as minhas bengalinhas de canela que tão bem vão ficar nos meus cabazes de Natal. Muitos simples de preparar e tão saborosas que nem os mais crescidos vão resistir.
Vamos preparar o Natal juntos?! Este é o primeiro presente que vos trago!


BENGALINHAS DE CANELA

ingredientes 
(para cerca de 24 bengalinhas)

350g de farinha
150g de açúcar amarelo
1 c.sopa de canela em pó
100g de margarina fria cortada em cubos pequenos
2 ovos médios (1 ovo + 1 gema; 1 clara para pincelar)
açúcar mascavado para salpicar

preparação

1. pré-aquecer o forno a 200ºC e forrar um tabuleiro com papel vegetal
2. numa taça, misturar a farinha com o açúcar a amarelo e a canela
3. adicionar a margarina e trabalhar os ingredientes com as pontas dos dedos, até ficarem com aspeto de areia molhada
4. bater ligeiramente o ovo inteiro e a gema e adicionar à mistura, amassando bem até a massa ficar uniforme
5. enfarinhar as mãos e retirar pedacinhos de massa, moldando uma pequena bola e, em seguida, numa superfície limpa e enfarinhada, enrolando, formando depois uma bengala
6. colocar a bengala no tabuleiro e repetir todo o processo, dispondo as bengalinhas com uma distância de 2 dedos entre si
7. levar ao forno durante cerca de 15 minutos, ou até as bengalinhas estarem firmes
8. retirar do calor e colocar as bengalinhas numa rede metálica até arrefecerem
9. bater ligeiramente a clara de ovo e pincelar as bengalinhas
10. salpicar com o açúcar mascavado e deixar secar
11. guardar as bengalinhas num frasco de vidro ou lata até 1 semana

nota: ofereçam as bolachinhas num bonito frasquinho de vidro, enfeitado com uma fita e uma etiqueta de Natal!
Até ao próximo post!

11/11/2013

Pastéis Folhados de Castanha

pastéis de castanha

Na época das castanhas, não há dia mais especial que o de S. Martinho. As ruas e os recantos das cidades, das vilas e das aldeias são invadidos pelo aroma inconfundível das castanhas assadas, vendidas à beira da estrada e que tão bem nos sabem. Melhor do que em qualquer outro lugar, a não ser na memória da nossa infância escolar, quando a chegada do Magusto transformava a Escola num palco de fogueiras, quadras e mãos negras de fumo das castanhas que estalavam e que comíamos sem parar.

Cá em casa há sempre castanhas assadas na noite de S. Martinho. Mas neste fim-de-semana, decidi aventurar-me na cozinha, tal como fazia quando saltava as fogueiras no recreio da escola, e criar uns deliciosos pastéis folhados de castanha, à imagem do delicioso pastel de feijão. Posso admitir que estava cheia de receio que não desse certo, mas o resultado fez-me sorrir de satisfação. Apesar de ser uma receita um pouco demorada, sobretudo pelo facto de termos de cozer, pelar e desfazer as castanhas, saíram do meu forno uns pastéis fofos e deliciosos, com um sabor doce a castanha intercalado pelo aroma facilmente identificado do limão.
Valeu a pena a aventura neste quadra de S. Martinho!

pastéis folhados de castanhas

PASTÉIS FOLHADOS DE CASTANHA

ingredientes 
(para cerca de 12 unidades)

2 placas de massa folhada quadradas frescas ou congeladas
300g de castanhas cozidas e desfeitas em puré
1 dl de água
200g de açúcar
6 gemas à temperatura ambiente
1 medida de tampa de Licor Beirão ou Brandy
raspa de 1 limão
1 c.sopa de margarina ou manteiga amolecida

preparação

1. começar por preparar o puré de castanhas: golpear as castanhas e levá-las ao lume num tacho com água a ferver durante 30 a 40 minutos
2. escorrer a água, descascar e pelar as castanhas, esmagando-as em seguida com um garfo ou um esmagador de batatas, o mais que conseguirem (quem quiser apressar este passo, basta cozer castanhas já peladas congeladas, até estarem bem macias)
3. entretanto, preparar uma calda de açúcar, levando ao lume num tachinho a água com o açúcar, deixando ferver em lume brando durante 6 minutos
4. à parte, desfazer as gemas com um garfo e incorporar a calda em fio, mexendo sem parar para as gemas não talharem
5. verter o preparado de novo para o tachinho e levar ao lume brando, mexendo sempre até começar a engrossar
6. retirar do calor e incorporar o licor beirão ou brandy, a raspa de limão, a margarina (ou manteiga) e o puré, mexendo bem
7. levar uma última vez ao lume, mexendo bem até todos os ingredientes estarem bem incorporados
8. retirar do lume e passar o preparado por um passador de rede, eliminando os grumos do puré que ficam no passador
9. deixar o preparado arrefecer por completo (este passo pode ser feito no dia anterior, sendo guardado no frigorífico até ao momento de ser utilizado)
10. pré-aquecer o forno a 200ºC e untar forminhas de queques com manteiga
11. retirar as placas de massa folhada do frio (se usarem congeladas, retirar 1 hora antes e deixá-las descongelar à temperatura ambiente) e enrolar no sentido do comprimento, cortando cada placa em 6 fatias do mesmo tamanho
12. dispor as fatias de massa nas forminhas e pressionar com os dedos de forma a cobrir todo o fundo e lados das mesmas, levando em seguida ao frio a refrigerar durante 5 minutos
13. retirar as forminhas do frigorífico e rechear com o preparado de castanha já frio, até 2/3 de altura
14. levar ao forno durante 20 a 25 minutos, ou até o recheio estar firme e rachado e a base estar dourada
15. retirar do forno, desenformar e polvilhar com açúcar em pó antes de servir

(a receita de creme de castanhas foi adaptada da receita de pastéis folhados de feijão da Vaqueiro)

nota: para aproveitarem as claras que sobraram da receita, aqui ficam algumas sugestões:

Até breve!

04/11/2013

"O" Bolo de Iogurte


Neste Domingo de Outono cheio de sol e com a casa enfeitada de flores cor de alegria, dei por mim a sentir saudades da Primavera que este ano não se mostrou. A manhã despontou serena e amistosa, como que a adivinhar um dia bom, daqueles que não estamos à espera mas que nos fazem sonhar ao deitar, a pensar que afinal ainda há muitas páginas para escrever em cada um dos nossos livros. Pequenas anotações, talvez até demasiado singelas, mas que um dia mais tarde, quando a idade nos faz recuar ao encontro das memórias que pensámos já estarem perdidas, nos abrem a porta da felicidade.

E esta felicidade está quase sempre de mãos dadas com a comida, com a sua partilha. Quando estou feliz vou para a cozinha materializar os meus sorrisos. Um bolo, umas bolachinhas, um petisco para oferecer e partilhar. Sentir essa alegria que tão bem me invade a memória em cada receita que guardo comigo e que já sei de cor, como "O" Bolo de Iogurte infalível da minha avó, que tão bem me sabe em dias cheios de sol. O 4 é o número mágico que vai ser fácil de decorar, para partilhar e sentir os sorrisos dos nossos em qualquer altura e em qualquer lugar.
Boa semana!



BOLO DE IOGURTE DA AVÓ

ingredientes

1 iogurte de aroma, sólido/de colher - 125g (uso sempre de pêssego ou tutti-fruti)
4 ovos médios
4 medidas bastante rasas de iogurte de açúcar (quem gostar dos bolos menos doces, pode cortar 1 medida de açúcar - eu atualmente coloco apenas 3 medidas bem rasas, mas da receita inicial constam 4)
4 medidas de iogurte de farinha de trigo
1 c.sopa de fermento em pó
1 medida rasa de iogurte de óleo de girassol


preparação

1. pré-aquecer o forno a 180ºC
2. untar uma forma de chaminé com manteiga e polvilhar com farinha
3. numa taça, juntar o iogurte, os ovos, o açúcar, o óleo e a farinha peneirada com o fermento
4. bater com uma batedeira ou colher de pau até a massa estar homogénea e começar a formar bolhas (não bater demasiado para o bolo não ficar pesado)
5. deitar a massa na forma e levar ao forno durante cerca de 40 a 45 minutos (verificar se o bolo está cozido espetando um palito no centro; se este sair seco, é porque o bolo está pronto a ser retirado do forno)
6. retirar do calor e deixar arrefecer um pouco na forma antes de desenformar
7. servir morno, com uma chávena de chá

Nota: além deste bolo simples de iogurte, faço também muitas vezes este bolo de laranja absolutamente delicioso e este bolo super fofo de café (receita muito antiga da minha avó) que é simplesmente perfeito!

 
 

29/10/2013

Maçãs Assadas com Moscatel

maçãs assadas

Noites escuras. Bruxas e Vassouras no ar. Morcegos a esvoaçar. Gatos pardos a miar.
Candelabros de abóbora e histórias de arrepiar.
Pois é, o Halloween está a chegar. Uma noite inteira de sustos e travessuras com muitos doces à mistura!
O Fabrico Caseiro junta-se à Noite das Bruxas e do forno da cozinha sai uma doçura para os mais crescidos, que aguardam em casa pela chegada dos pequenos traquinas prontos para pregar muitos sustos e partidas.
Uma noite muito escura, gulosa e assustadora é o que desejo a todos os brincalhões neste próximo dia 31 de Outubro!
Happy Halloween!


MAÇÃS ASSADAS COM MOSCATEL

ingredientes (para 2 pessoas)

2 maçãs reinetas
4 c.sopa de açúcar amarelo
2 paus de canela
moscatel de setubál q.b.

preparação

1. ligar o forno à temperatura de 200.º C
2. com um tira caroços, remover o caroço das maçãs
3. colocar as maçãs numa assadeira e preencher o buraco do caroço com açúcar amarelo e um pau de canela, salpicando também a restante assadeira
4. regar o buraco do caroço com moscatel e mais um pouco na restante assadeira
5. levar ao forno durante 20 a 30 minutos, ou até as maçãs abrirem e a calda apresentar um tom dourado
6. servir as maçãs mornas


Até breve!

28/10/2013

Legumes Assados com Queijo Feta

legumes assados

bonsalt

Cada vez gosto mais de refeições vegetarianas e aproveito todas as minhas refeições a um para experimentar receitas novas. Nos últimos meses, transformei as minhas típicas segundas-feiras de snacks em dias bem veggie e adoro saborear cada nova descoberta.

A convite da Bonsalt, que gentilmente me enviou uma embalagem do seu novo sal sem sódio, ideal para hipertensos e para quem se preocupa em adotar uma alimentação mais saudável, decidi experimentar nesta segunda-feira cinzenta e a precisar de alguma cor, um prato vegetariano de legumes assados. Aos cubos de abóbora, batata, courgette, tomate e cogumelos acrescentei uma pitada deste substituto do sal tradicional, feito à base ingredientes naturais, e posso dizer que não há diferença alguma no paladar. Há, sim, uma diferença ao nível das calorias ingeridas, que são consideravelmente menores, e da diminuição dos malefícios que o sal convencional provoca na saúde, uma vez que o Bonsalt substitui o cloreto de sódio por potássio que, devido à sua acção cardioprotetora, tem um efeito benéfico sobre o controlo da tensão arterial, prevenindo igualmente o risco de AVC.

legumes assados
bonsalt

Sempre atenta à minha saúde e à da minha família, para quem cozinho diariamente, o Bonsalt surge como uma aliado em todas as receitas que necessitem de sal, temperadas sem sódio mas sempre com muita dedicação!
Experimentem!

LEGUMES ASSADOS COM QUEIJO FETA 

ingredientes (para 2 pessoas)

1/2 courgette cortada às rodelas finas
2 fatias de abóbora cortadas em cubos
4 tomates-cereja cortados em metades
6 a 8 raminhos de couve-flor
6 a 8 cogumelos brancos cortados em metades
2 dl de azeite virgem extra
1 c.chá de Bonsalt
pimenta q.b.
alguns raminhos de tomilho fresco para salpicar
queijo feta esfarelado q.b. para acompanhar


preparação

1. ligar o forno a 200ºC e untar uma assadeira com manteiga
2. colocar os legumes na assadeira, regar com o azeite, temperar com Bonsalt e pimenta e salpicar com o tomilho
3. envolver bem todos os ingredientes e levar ao forno até os legumes estarem tenros (cerca de 30 a 35 minutos)
4. retirar do forno e salpicar com o queijo feta esfarelado
5. servir


Até breve!

21/10/2013

Gressinos Doces com Pistáchios

receita gressinos

receita gressinos doces

gressinos - receita

gressinos

Cheiro a casa.
A chave roda e abre-se a porta do nosso paraíso.
Não tem areia branca nem mar de esmeralda.
Não tem palmeiras nem água de côco fresca.
Não se ouvem os sons da natureza em paz com ela própria.

Mas tem cheiro a nós.
Cheiro a plantas que salpicam de verde a varanda.
Cheiro a madeira empoeirada.
Cheiro a roupa lavada.

Cheiro a cozinha visitada.
A armários fartos de potes e latas numa paleta  multicores.
A frascos e embrulhos por abrir e outras vazios e contentes de memórias.
A cestas de fruta e legumes colhidos e escolhidos com primor.
Cheiro a pão quente, acabado de trazer.
A manteiga derretida e compota caseira.

Só  falta mesmo o cheiro do forno de botões e placas gastas.
Cheiro a biscoitos e bolos acabados de fazer.
De todos os sabores sempre doces e quentes, que nos consolam a alma e nos dizem... chegaste a casa.

Neste fim-de-semana intermitente de chuva e sol, saíram do meu forno estes Gressinos Doces com Pistáchios. Para acompanhar o café em dias de pouca gula, mas ainda assim sempre um pedacinho doces!
Boa semana a todos(as)!


GRESSINOS DOCES COM PISTÁCHIOS
(uma receita ligeiramente adaptada da Nespresso Magazine - Roma, Primavera-Verão 2013)

ingredientes (para cerca de 12 a 16 gressinos)

250g de farinha
60g de açúcar em pó
80g de manteiga ou margarina derretida
2 c.sopa de sumo de laranja
1 tampa de Licor Beirão
30g de pistáchios picados grosseiramente
açúcar para polvilhar


preparação

1. pré-aquecer o forno a 180ºC e forrar um tabuleiro rectangular com papel vegetal
2. numa taça, misturar a farinha com o açúcar
3. fazer uma cova no meio e acrescentar a manteiga derretida, o ovo, o sumo de laranja e o licor beirão e mexer muito bem com uma colher de pau (se a massa estiver muito mole, acrescentar mais 2 c.sopa de farinha, de forma a esta despegar da taça e formar uma bola
4. cobrir a bola de massa com película aderente e levar ao frigorífico durante 30 minutos
5. retirar a massa e estendê-la numa bancada polvilhada com papel vegetal
6. cortar pequenos rectângulos de massa (cerca de 15cm de comprimento e 6 cm de largura) e enrolar
7. pincelar a massa com um pouco de água e salpicar com os pistáchios e um pouco de açúcar
8. transferir os gressinos para o tabuleiro e levar ao forno durante cerca de 15 minutos
9. retirar do calor e deixar arrefecer numa rede metálica
10. acompanhar os gressinos com uma chávena de café ou de chá


Até breve!

11/10/2013

Bolo de Arroz XL

receita bolo de arroz

bolo de arroz

A culinária anda na moda. A culinária na internet também. São cada vez mais os que partilham receitas e aventuras na cozinha, desde chefs prestigiados, restaurantes e os bloggers. Há uma magia especial nas imagens que parecem saltar para fora dos monitores, como que impregnadas de sabor e cheiros que nos invadem os sentidos de imediato. Somos cativados a testar, a reinventar, a sair da nossa caixa e explorar os que os outros nos incentivam a fazer. Queremos fazer também e tudo nos aponta para essa sensação de realização que, em muitos momentos, nunca pensámos ser capazes de levar até ao fim. Absorvemos a inspiração nas palavras, nos gestos, nas partilhas, dos desafios deixados pelos desconhecidos que passamos a conhecer e a simpatizar. Bebemos um pouco da essência de cada um e dos momentos em que captam cada imagem, cada pormenor.
Mas embora já não passe sem esta poderosa ferramenta, bem lá no fundo, continuo a ser uma old fashion girl, ainda loucamente apaixonada pelos livros, todos eles e os de receitas em especial, sobretudo os mais antigos, com o cheiro bucólico das suas páginas. Velhas e amareladas pelo tempo, com as impressões de quem as desfolhou e os rabiscos que se vão anotando em cada canto vazio de letras. O que lhes falta em imagens apelativas, sobra-lhes em tradição. E hoje, o bolinho para o fim-de-semana não podia ser mais tradicional. É um Bolo de Arroz, em versão XL, que qualquer um de nós já provou e gostou, e que desta forma pode ser partilhado por toda a família.
Bom fim-de-semana!

bolo de arroz


BOLO DE ARROZ "XL"
(uma receita d' O Livro de Ouro da Doçaria, de Noémia Ferreira Ramos)

ingredientes

6 ovos médios (gemas e claras separadas)
60g de margarina ou manteiga amolecida
150g de açúcar
1 medida de tampa de uísque
150g de farinha de arroz
1 c.chá de fermento em pó


preparação

1. ligar o forno à temperatura de 180ºC e untar uma forma de bolo inglês com manteiga, polvilhando em seguida com farinha
2. numa taça, bater as claras em castelo bem firme
3. à parte, bater a margarina ou a manteiga com o açúcar durante 3 minutos, acrescentando as gemas uma a uma, batendo bem em cada adição
4. acrescentar o uísque e bater mais um pouco
5. misturar a farinha e o fermento e, em seguida, 1/4 das claras em castelo, de forma a tornar a massa menos dura
6. finalmente, envolver suavemente as restantes claras
7. deitar a massa na forma e salpicar com um pouco de açúcar
8. levar ao forno durante cerca de 40 a 45 minutos, ou até o bolo estar completamente cozido (verificar com o teste do palito)
9. retirar do forno e deixar arrefecer completamente sobre uma rede metálica
10. desenformar e servir em fatias, salpicadas com um pouco de açúcar

Até breve!

07/10/2013

Massa com Courgettes Grelhadas, Ricotta e Manjericão

massa com courgette e ricotta

penne com ricotta e courgette

Segunda-feira.
A semana volta ao seu compasso inicial numa manhã com o sol a mostrar toda a sua graça. Há sorrisos e muita preguiça no ar, mas também uma energia restaurada pela certeza da beleza do dia que temos pela frente. E pelos que se seguem, já que as precisões apontam para um Verão em fim de tempo, já neste mês de Outubro que começou em tons cinzentos.
Na cozinha, planeia-se a ementa, mais fresca que a da semana anterior, que arranca com um prato vegetariano para um almoço descomplicado. Seja Verão ou Inverno, Outono ou Primavera, as massas são umas das minhas opções naturais e vêm quase sempre acompanhadas por legumes e um molho fresco. Além de muitos fáceis e rápidas de preparar, são saudáveis e deliciosas e uma boa alternativa aos pratos de carne que me fazem cada vez menos falta.
Boa semana!


MASSA COM CURGETES GRELHADAS, RICOTTA E MANJERICÃO

ingredientes (para 2 pessoas)
200g de massa curta, tipo penne, farfalle, macarronete, espirais (100g de massa por pessoa é a dose ideal)
1 courgette pequena cortada em rodelas e depois em quartos
sal e pimenta q.b.
1 dl de azeite
2 alhos picados
1 punhado de folhas de manjericão bem lavadas e rasgadas com as mãos
2 c.sopa de nozes picadas grosseiramente
4 c.sopa de ricotta
lascas de parmesão para guarnecer
preparação
1. cozer a massa em água a ferver em cachão, temperada com sal, até ficar al dente
2. entretanto, temperar as courgettes com sal e pimenta e um fio de azeite
3. grelhar as courgettes num grelhador bem quente, de ambos os lados, durante cerca de 3 minutos (1 minutos e meio de cada lado)
4. escorrer a massa e reservar
5. no tacho onde se cozeu a massa, saltear ligeiramente os alhos picados no azeite
6. retirar do lume, acrescentar a massa e envolver bem
7. colocar a massa numa travessa de servir, acrescentar as courgettes, as folhas de manjericão e as nozes e envolver cuidadosamente todos os ingredientes
8. terminar com umas nozes de ricotta e lascas de parmesão

Até breve!

02/10/2013

Tarte Folhada de Maçã e Amêndoa

receita tarte de maçã

tarte de maçã - receita

receita tarte de maçã rápida

O Outono transporta na sua bagagem a minha sobremesa favorita em forma de tarte. De maçã. Com canela e amêndoa para um toque especial. Está envolta em simplicidade e nas boas sensações que uma fatia de tarde com os sabores da estação pode proporcionar.
Embora o Verão seja a minha época de eleição, o Outono é, para mim, uma época especial. Por trazer até nós o recomeço ou a chegada de novos projetos e a rotina que nos acompanha todos os dias e nos acalenta com a sua estabilidade. Pela serena metamorfose da paisagem que se enche de cores quentes e nos faz querer anda mais o aconchego dos nossos lares.
Na cozinha há o conforto dos pratos quentes, das sopas do campo e dos chás perfumados. Chegam as maçãs e as peras em abundância, prontas para serem saboreadas em inúmeras receitas, da avó e outras tantas novas, capazes de contarem novas histórias num prato pronto a saborear. E eu estou sempre pronta a fazer e comer uma fatia desta tarte. Porque é doce o quanto baste, rápida e simples de preparar o bastante que todos se atrevem a provar e recriar sem medo de falhar! Palavra de aprendiz!


TARTE FOLHADA DE MAÇÃ E AMÊNDOA

ingredientes

2 placas de massa folhada fresca
3 maçãs golden
sumo de 1/2 limão
6 c.sopa de açúcar amarelo
canela em pó q.b.
1 ovo batido para pincelar
cerca de 1 chávena de chá de amêndoa peladas lascada para decorar

preparação

1. ligar o forno à temperatura de 200.º e untar uma tarteira redonda de fundo amovível com manteiga
2. descascar as maçãs, retirar o caroço e cortar em gomos finos, regando estes com sumo de limão para não oxidarem
3. colocar uma das placas de massa folhada na tarteira e picar o fundo com um garfo
4. dispor os gomos de maçã e salpicar com o açúcar amarelo e a canela em pó
5. cobrir com a restante placa de massa folhada, unindo com a debaixo fechando ambas as bordas à superfície
6. pincelar com ovo batido e cobrir com as lascas de amêndoa
7. levar ao forno durante cerca de 30 minutos, ou até a massa estar bem dourada e estaladiça
8. retirar do forno e desenformar com cuidado para um prato
9. servir fatias de tarte ainda mornas, sozinhas (como cá em casa preferimos), ou acompanhadas de uma bola de gelado de baunilha

Até breve!

30/09/2013

Creme de Abóbora e Cenouras Assadas com Pesto de Manjericão

creme de cenoura e abóbora

Todos os dias são dias de sopa.
 As sopas são um dos pratos mais importantes da nossa gastronomia e, também, da cozinha mediterrânica. São o primeiro conforto da refeição e uma injecção de vitaminas e energia. E em dias cinzentos de chuva, são o prato ideal para aconchegar e dar a provar os sabores do Outono que agora nos acompanha. Os gaspachos e as sopas leves e frescas saem e cena e dão lugar a caldos mais ricos e intensos, com sabores mais fortes e cores argilosas.
Mais uma vez, foi a querida e talentosa Lorraine Pascale que me inspirou neste fim-de-semana a testar mais uma nova receita cozinha, com uma deliciosa Sopa de Abóbora e Cenoura Assadas Picantes. Com a chuva a bater nas janelas da casa incessantemente, não resistir a testar uma versão minha desta sopa. O Creme de Abóbora e Cenoura é um dos favoritos cá de casa e foi fácil optar pela sua opção assada. O resultado foi, no mínimo, surpreendente. Acreditem, com os mesmos ingredientes, o sabor fica completamente diferente. Muito mais rico, intenso e reconfortante. E para a tornar ainda mais especial, decidi acrescentar um pouco de Pesto de Manjericão, que combina lindamente, não só com a cor alaranjada do creme, como com o seu sabor.
Uma excelente sugestão para uma Sopa de Outono quando queremos impressionar.


CREME DE ABÓBORA E CENOURAS ASSADAS
com PESTO DE MANJERICÃO

ingredientes (para 4 a 6 pessoas)
1 abóbora menina limpa e sem pevides cortada ao meio
1 alho descascado
3 cenouras médias descascadas e cortadas em rodelas com 1 cm de espessura
1 batata média descascada e cortada em quartos
1 haste de alecrim fresco
2 dl de azeite virgem extra com baixa acidez (costumo usar de reserva, com 0,4 de acidez ou menos)
1 cebola média picada
1 talo de alho-francês cortado às rodelas finas
1,5 a 2 l de água a ferver (conforme quiserem a sopa mais grossa ou mais líquida)
sal e pimenta de moinho q.b.
pesto e folhas de manjericão para guarnecer

para o pesto
1 punhado de folhas de manjericão
1 dentes de alho descascado
1 punhado de pinhões ligeiramente tostados numa frigideira anti-aderente
sal e pimenta q.b.
2 dl de azeite virgem extra

preparação
1. ligar o forno à temperatura de 200ºC e untar uma assadeira com manteiga (para facilitar a limpeza)
2. colocar as metades da abóbora menina na assadeira, juntamente com as cenouras às rodelas, a batata e o alho
3. colocar ao centro a haste de alecrim e temperar com sal e pimenta
4. salpicar com o azeite e levar ao forno durante cerca de 25 a 30 minutos, ou até os legumes estarem amolecidos (quando for fácil espetar com a ponta de uma faca, é sinal de que estão prontos)
5. entretanto, refogar numa panela com 1 fio de azeite a cebola e o alho-francês, até ficarem translúcidos
6. retirar a assadeira do forno, remover a haste de alecrim e acrescentar os legumes à panela (retirar a polpa da abóbora com o auxílio de uma colher de sopa)
7. deixar suar um pouco e regar com a água a ferver
8. quando levantar fervura, deixar cozinhar durante 20 minutos
9. retirar a panela do lume e triturar muito bem com a varinha mágica
10. para o pesto, colocar as folhas de manjericão, o alho e os pinhões numa trituradora ou robot de cozinha e triturar bem; acrescentar o azeite, temperar com sal e pimenta e triturar mais um pouco, até todos os ingredientes estarem bem envolvidos
10. servir o creme em tigelas ou pratos de sopa, guarnecidos com 1 c.sopa pesto, uns salpicos de azeite e folhas de manjericão
Até breve!

25/09/2013

Bolachinhas de Aveia Integrais

Bolachas de Aveia

 bolachinhas de aveia integrais
O Outono chegou e com ele o regresso às rotinas. De casa, do trabalho, da escola.
É o Setembro do recomeço e da longa caminhada até novas férias e mundos por descobrir. Abrem-se os armários em busca da renovação das roupas e dos agasalhos, dos cobertores que nos aconchegam de noite e nas tardes no sofá.
O azul brilhante do céu e o verde dos campos salpicados de cores vibrantes das frutas e das flores desvanecem-se suavemente na paisagem que permanece, agora lentamente pincelada pelas cores quentes do Outono que se denuncia. Há os amarelos das maçãs e das pêras, o laranja das abóboras e os dióspiros, os tintos do vinho que agora se faz. Há os castanhos dos troncos das árvores que se desnudam e das castanhas que irão chegar. Há o cheiro da nostalgia no ar.
E enquanto a cozinha não se enche totalmente de todos os novos sabores e cores da estação, deixando o Verão cair bem devagar, vou preparando os snacks que a família pede já longe de casa, mas sempre perto do coração. E nada me sabe melhor fazer do que umas bolachinhas caseiras de aveia integrais, deliciosas, crocantes e muito fáceis de fazer, que matam o bichinho da fome entre as refeições principais.
Sim, porque o tempo é curto e de azáfama, mas há sempre algum para fazermos as nossas próprias bolachas!
 
 
BOLACHINHAS DE AVEIA INTEGRAIS
(receita ligeiramente alterada em fev. 2016)
 
Ingredientes (para cerca de 15 a 20 bolachinhas)

70g de manteiga amolecida
125g de açúcar mascavado (ou amarelo, se preferirem)
1 ovo médio
raspa de limão ou de laranja
70g de farinha de aveia ou de trigo integral
1 c.sobremesa de fermento em pó
200g de flocos de aveia integrais
 
Combinações deliciosas
 
Raspa de limão + 75g de passas
Raspa de laranja + 75g de chocolate negro cortado em pedacinhos
Raspa de laranja + 50g de chocolate negro cortado em pedacinhos + 50g de arandos desidratados (costumo comprar no Continente, na secção dos frutos secos, junto à frutaria)
Raspa de laranja + 50g de coco ralado + 50g de arandos secos
 
Preparação

Pré-aquecer o forno a 180ºC e forrar um tabuleiro com papel vegetal.
Numa taça, bater com uma colher de pau a manteiga com o açúcar e a raspa de laranja ou limão até ficar um creme leve e fofo.
Acrescentar o ovo e bater mais um pouco. Juntar a farinha e o fermento e envolver bem. Finalmente, envolver os flocos de aveia e, em seguida, uma das combinações que mencionei acima.
Dispor colheradas (de sopa) da massa no tabuleiro, afastadas cerca de 2 cm entre si (quem quiser ser mais profissional, deitar a massa dentro de um cortador de bolachas redondo, para que tenham todas o mesmo tamanho, e calcar bem com as costas da colher).
Levar ao forno durante 12 a 15 minutos, ou até as bolachas adquirirem um tom dourado (verificar se a parte voltada para baixo não fica queimada). Retirar do forno e deixar as bolachas arrefecerem completamente numa rede metálica. Elas vão endurecer à medida que arrefecem.
Guardar num frasco de vidro até 10 dias.
 
Nota: podemos enriquecer estas bolachinhas com outros sabores, como, por exemplo, pepitas de chocolate ou frutos secos
 
Para um snack ainda mais saudável, experimentem esta receita de bolinhas de banana, aveia e frutos secos, sem qualquer adição de açúcar. É igualmente deliciosa e super fácil de preparar.
 
 

19/09/2013

Bolo de Figos e Limão

bolo de figos

bolo de figos


Sou uma rapariga nascida e criada na cidade. Que estudou e cresceu na cidade. Vivo numa cidade e adoro a minha cidade. Do seu ar cosmopolita ainda um pouco tosco, da sua agitação, das suas varandas de Arte Nova, cheias de detalhes já enferrujados pelo avanço implacável do tempo. Dos seus canais venezianos por quem se encantam os que lá passam. Das ruas de comércio tradicional e das casas de chá onde paro para ler um livro e saborear um café. Da sua proximidade ao mar, cúmplice eterno dos sonhos e das fantasias que se desvanecem como o nevoeiro que se dissipa ao final da manhã.

Mas existe algo que a cidade não me consegue dar.... a serenidade e a nostalgia do silêncio do campo, com o seu cheiro a terra lavrada e as memórias construídas com os mesmos gestos das gentes de outros tempos... brincar nas ruas estreitas por onde os animais se cruzam, ouvir com elevada nitidez o canto dos pássaros e dos grilos. Molhar os pés a regar as flores e subir a uma árvore e provar de imediato o seu fruto doce ainda quente do sol.


No último fim-de-semana de Verão, andei a colher os figos que as figueiras nos quiseram dar. Carregadas este ano, face à ausência deste delicioso fruto nos últimos dois. Parecia uma criança pequena a quem presenteiam com um doce inesperado. Cheguei a casa e devorei tantos quantos consegui, já frescos, e depois fiquei imaginar receitas onde os pudesse incluir e destacar. Um bolo cai sempre bem, em qualquer altura do ano, e este pareceu-me a perfeita homenagem ao final da estação e ao Outono que se aproxima...
A sua textura foi uma surpresa deliciosa. A massa fica húmida e com um sabor caramelizado dos figos que se afundam ligeiramente e denotam a sua presença em cada pedaço que levamos à boca. O aroma do limão combina brilhantemente, para dar aquele toque cítrico que quebra a doçura mas não lhe retira o protagonismo.
Até já Verão!


BOLO DE FIGOS E LIMÃO

ingredientes

8 a 12 figos maduros, lavados e cortados em quartos
1 c.sopa de açúcar mascavado
sumo de 1/2 limão
115g de margarina (ou manteiga) amolecida
175g de açúcar amarelo
raspas da casca de 1 limão
4 ovos médios
175g de farinha
1 c.sopa rasa de fermento em pó

preparação

1. pré-aquecer o forno a 180ºC; untar uma forma redonda de fundo amovível com manteiga e forrar a base com papel vegetal, também untado
2. colocar os figos cortados em quartos numa taça, regar com o sumo de limão e salpicar com o açúcar mascavado, envolvendo suavemente os figos nesta mistura; reservar
3. numa taça, bater energeticamente com uma colher de pau a margarina (ou manteiga) amolecida com o açúcar amarelo e as raspas de limão, até a mistura estar uniforme e cremosa
4. acrescentar os ovos, um a um, batendo bem em cada adição (só devemos acrescentar o ovo seguinte depois de o anterior estar bem incorporado na massa)
5. peneirar a farinha com o fermento e envolver bem, em movimentos suaves, não batendo demasiado para não endurecer a massa
5. deitar a massa na forma e alisar a superfície
6. dispor os figos em roda por cima da massa e levar ao forno, durante cerca de 30 a 35 minutos, ou, colocando um palito no centro do bolo, este sair seco
7. retirar do forno e deixar o bolo arrefecer completamente dentro da forma, em cima de uma rede metálica
8. desenformar com cuidado e servir

Até breve!

18/09/2013

Bruschettas de Pesto e Tomate Assado

bruschettas de tomate

bruschettas de pesto e tomate assado

bruschettas de tomate assado

O tomate anda em festa neste final de Verão ainda quente.
Cá por casa, este fim-de-semana foi rico em cabazes cheios deste fruto delicioso e carnudo, trazidos directamente da horta da família. Já bem maduros, são ricos em doçura e polpa e fazem-me logo imaginar nas inúmeras receitas onde os posso incluir e dar um toque especial. Sopas, molhos, petiscos, para rechear, para assar, para comer bem frescos em saladas cheias de cor. Não faltam opções nestes dias ainda cheios de luz e almas sorridentes.
Como gosto sempre de procurar novas receitas, um dos meus passatempos preguiçosos de eleição é navegar pela web à procura de inspirações para a cozinha. E foi numa noite mais ociosa de sofá que encontrei uma versão da receita que hoje vos aconselho a experimentar - umas deliciosas bruschettas de pesto e tomate assado, ideais para entradas e petiscos com os amigos.
Da parte minha parte, este delicioso casamento entre cores e sabores passou directamente para o top de Entradas & Petiscos do meu arquivo culinário, sobretudo no Verão que convida ao convívio no exterior e à comida que se come só com as mãos!
Espero que gostem!


BRUSCHETTAS DE PESTO E TOMATE ASSADO


ingredientes (para 4 a 6 pessoas)

1 pão saloio cortado em fatias grossas (cerca de 2 cm)
3 tomates de rama maduros, cortados às rodelas ou em cubinhos (em alternativa, usar tomatinhos-cereja inteiros ou cortados em metades)
2 dl de azeite
2 dentes de alho
1 haste de alecrim ou 1 raminho de tomilho fresco
sal e pimenta q.b.

para o pesto de caju

1 chávena de chá de folhas de manjericão
2,5 dl de azeite virgem extra
3 dentes de alho descascados
1/2 chávena de chá de queijo parmesão ralado na altura
1/2 chávena de chá de cajus sem sal
pimenta q.b.

preparação

1. ligar o forno à temperatura de 200ºC
2. untar uma assadeira com manteiga e dispor os tomates
3. temperar com sal e pimenta e regar com o azeite
4. esmagar os alhos e dispor na assadeira, terminando com a haste de alecrim
5. levar ao forno durante 15 a 20 minutos, ou até as rodelas de tomates estarem amolecidas e com as pontas tostadas
6. cerca de 5 minutos antes de retirar o tomate do forno, tostar as fatias de pão no tabuleiro do grill, na parte mais superior do forno
7. entretanto, preparar o pesto: juntar todos os ingredientes numa picadora ou robot de cozinha e triturar até todos os ingredientes até estarem bem incorporados e formarem uma pasta (se estiver muito grossa, acrescentar um pouco mais de azeite)
8. retirar as tostas e o tomate do forno e montar as bruschettas: barrar as tostas com o pesto e cobrir com o tomate
9. servir ainda mornas

Até breve!